Casos de Uso de Web-to-App para PBA | AppsFlyer
5 Min. Read

2 Casos de Uso Comuns de Web-to-App para People-Based Attribution

Minnie Katzen Mayer Minnie Katzen Mayer Mar 11, 2020

Ainda que o mobile se faça cada vez mais presente, a web certamente não morreu. Além da conveniência de ter o mundo no bolso, no relógio e na TV, tanto a web mobile quanto desktop ainda desempenha um papel importante na jornada do cliente.

A web segue sendo a plataforma mais abrangente para a descoberta de uma marca, para realizar pesquisas e auxiliar o usuário no processo de tomada de decisões no geral. Para empresas que adotam uma estratégia de marketing entre plataformas, é comum que os clientes iniciem a jornada na web e eventualmente façam a transição para o app nativo, realizando atividades efetivamente relacionadas à conversão. 

Para o profissional de marketing, esse aspecto apresenta tanto benefícios quanto desafios; Levar tráfego pago para um site costuma ser mais barato do que efetuar campanhas de download de aplicativos pagos. Assim, levar um tráfego relevante e de alta qualidade para um site gera maior custo-benefício. Ao mesmo tempo, o uso de apps nativos aumenta a lealdade à marca, gerando taxas de conversão e vendas mais elevadas em comparação à web. Então como os profissionais de marketing podem consolidar esses fatos para capitalizar sobre os benefícios conjuntos tanto da web quanto do aplicativo?

Vamos explorar alguns casos de uso clássicos em diferentes setores.

 

Caso de uso 1: Ligando os pontos no eCommerce

O setor de eCommerce é um dos que mais cresce no mundo, com cerca de 20% de crescimento interanual de vendas. Para além do crescimento explosivo, no entanto, os comerciantes estão enfrentando novos desafios. Clientes de eCommerce saltam entre diferentes plataformas online, como o desktop, web mobile e aplicativo. Ainda, alguns clientes também combinam o engajamento offline (na loja física) com o online, ao utilizarem os celulares dentro da loja para procurar por avaliações dos produtos ou comparar preços. 

Dessa maneira, comerciantes têm a tarefa de tentar ligar os pontos entre o online e o offline, além de mapear a jornada online entre dispositivos e plataformas. Levar clientes para o app nativo da marca é favorável: prevê-se que 67% de todas as compras de eCommerce devem ser feitas no mobile em 2020 (número que possivelmente será ainda maior com os lockdowns e confinamentos gerados pela crise do coronavírus). Além disso, a taxa de conversão para aplicativos nativos de compras é 3x maior quando comparado ao web mobile.

eMarketer share of time spend on ecommerce apps

Ao mesmo tempo, a web é uma plataforma importante utilizada para a descoberta e a pequisa, sendo significativamente mais barata em termos de anúncios. Ferramentas para compra, gerenciamento e otimização de anúncios web já estão bem consolidadas e muitas marcas investem há anos em campanhas na web.

Profissionais de marketing de eCommerce precisam criar uma estratégia de comércio omnichannel que ofereça aos consumidores uma experiência de compra completamente integrada, unificando mensuração e experiências de usuário desde as lojas físicas até a navegação mobile, compras in-app e outras estratégias desse meio. Levar usuários a efetuarem compras no app nativo é claramente benéfico e uma estratégia de marketing sólida deve visar esse objetivo.

Solução: O People-Based Attribution pode ajudar a completar o quadro web-to-app, atribuindo instalações do app nativo às visitas na web e fontes de mídia iniciais que direcionaram os usuários. Utilizando os banners de web mobile, que levam visitantes da web a fazerem o download do aplicativo (talvez com o incentivo de uma oferta atraente), profissionais de marketing podem aumentar conversões, receita e lealdade à marca.

 

Caso de Uso 2: Gerando integração ininterrupta para aplicativos de bancos

Eles podem parecer um pouco atrasados na revolução, mas aplicativos de finanças e de bancos fazem parte de um dos setores que mais cresce em um curto período de tempo. A atividade do usuário em aplicativos financeiros aumentou 354% nos últimos 5 anos, e espera-se que os dispositivos mobile se tornem o canal preferido utilizado por usuários para gerenciarem suas contas. Curiosamente, uma das principais razões para que os usuários de bancos mobile tenham preferência pelo aplicativo, comparado com o desktop ou o serviço nos ambientes físicos, é a personalização aprimorada oferecida pelas empresas. 

Quando pensamos em aplicativos de finanças, pensamos em duas categorias: 

  • Aplicativos mobile-first de fintech, como os que oferecem pagamentos peer-to-peer ou carteiras virtuais;
  • Aplicativos de bancos que surgiram em e cresceram em estabelecimentos físicos ou entidades web-based, que fornecem aos usuários opções de acesso adicionais via apps mobile

Jornadas web-to-app são mais relevantes para a segunda categoria, na qual o aplicativo é uma parte complementar da oferta. Nesses casos, os usuários apenas obtêm acesso após terem se comprometido como clientes, criado uma conta ou feito a inscrição a um serviço. 

Os aplicativos oferecem às organizações uma oportunidade de criar uma experiência ininterrupta e exemplar, que se adapta às necessidades e padrões de uso de seus clientes. Isso é mais difícil de ser feito na web mobile, na qual as opções de personalização são limitadas. Quanto ao desenvolvimento, a organização possui a tarefa de manter práticas rígidas de segurança e privacidade tanto no software mobile quanto no emprego de vendedores terceiros. 

Esses aplicativos se mostraram como uma boa ferramenta para a retenção, informação e upsell. Se a organização consegue unir as jornadas da web e do app, atribuindo corretamente as instalações do aplicativo às visitas e atividades da web, elas não apenas geram oportunidades para ofertas e benefícios como também melhoram a experiência do usuário e sua personalização.

Solução: Unir a jornada da web ao app através de processos de integração segura, utilizando uma solução abrangente, privada e segura. Levando em conta que os clientes apenas visitam o aplicativo após estabelecerem uma ligação com a marca, os aplicativos de bancos têm uma oportunidade única de capitalizar sobre a experiência de usuário e a lealdade, direcionando seus clientes a aplicativos bem projetados, que focam em garantir uma boa experiência de usuário. Ao assegurar uma transição ininterrupta entre plataformas, na qual a identidade do usuário é mantida e reconhecida, aplicativos de bancos têm facilidade em impulsionar upsells e retenção.

 

Web-to-app ou web e app

A história não acaba no eCommerce ou nos aplicativos de finanças – vai muito além. Negócios em quase todas as indústrias enfrentam problemas semelhantes. Sempre que uma marca utiliza diversas propriedades de marketing, mensuração e atribuição, ela encontra um desafio. Quer o objetivo seja direcionar usuários ao app nativo ou apenas manter uma experiência de usuário coesa em diferentes dispositivos, uma solução de marketing completa pode ajudar a acabar com o mistério e a extrapolação.

Saiba mais sobre People-Based Attribution