Acabando com a fraude orgânica

Por Michel Hayet
Weeding out organic fraud - square

Já sabemos que a fraude mobile afeta o tráfego não orgânico e drena os orçamentos de marketing, mas será que ela também polui o tráfego orgânico?

Os fraudadores são atraídos pelo dinheiro – isso não é novidade. Mas de onde vem esse dinheiro? Em resumo, ele vem de atividades de marketing pago (como a aquisição de usuários), em que os anunciantes pagam publishers por atrair novos usuários para o aplicativo.

Esse mecanismo incentiva publishers legítimos a tentar atrair usuários que geram receita no app. Mas ele também é um grande incentivo para os fraudadores, que querem ter uma parte desse lucro. Quanto maior o CPI e/ou o orçamento de marketing, maior o lucro que pode ser obtido e, portanto, maior a probabilidade de surgimento de malfeitores.

Sabendo disso, qual seria seria o benefício de atacar o tráfego orgânico? Em outras palavras, como os fraudadores obteriam lucro?

O incentivo por trás da fraude orgânica

Quando falamos sobre instalações orgânicas fraudulentas, muitas vezes estamos falando exclusivamente sobre os usuários orgânicos falsos. Embora as instalações orgânicas ainda possam ser “sequestradas” e falsamente atribuídas, a sua mera associação com o crédito de atribuição (legítimo ou não) é o suficiente para que acabar com a discussão. 

No contexto da atividade orgânica, na qual não há uma atribuição que possa ser sequestrada, as instalações falsas são as únicas geram lucro, pois usuários falsos podem existir tanto no tráfego orgânico como no não orgânico.

Mas por que eles existiriam no tráfego orgânico?

Os usuários falsos podem ser criados por algum tipo de programa, software malicioso ou device farm. Os dois tipos de operação criam inúmeras contas de usuários novos e dispositivos falsos. Por exemplo, no caso do device farm, os identificadores de dispositivos são atualizados constantemente para dispositivos reais.

Já os bots simulam dispositivos e usuários falsos. Para executar uma operação falsa em grande escala, os fraudadores fazem o possível para criar uma simulação do comportamento de um usuário real. Isso pode ser feito por meio de emuladores ou até de funcionários reais, que realizam a operação.

Para entender o raciocínio por trás das instalações orgânicas fraudulentas, primeiro temos que entender que elas servem para que o fraudador alcance o seu principal objetivo: o lucro.

Lavagem de dispositivos

Os fraudadores conhecem muito bem o ecossistema dos anúncios mobile. Na realidade, é muito comum que eles obtenham sucesso dentro da indústria. Sua operação entra em ação assim que uma brecha ou falha que possa ser explorada é identificada.

Por exemplo, quando um fraudador sabe todos os detalhes sobre a funcionalidade geral das soluções antifraudes disponíveis no mercado, ele consegue driblar os mecanismos de defesa com seus usuários orgânicos falsos.

Algumas das soluções disponíveis no mercado consideram os “novos dispositivos” no tráfego de uma fonte de mídia como parte de seus parâmetros de identificação da fraude.

Assim, os fraudadores realizam diversos testes e aplicam engenharia reversa em algoritmos detectados – eles estão cientes do fato de que a maioria das soluções antifraude não analisam o tráfego orgânico, por acreditarem que a fraude não pode ser aplicada nele.

Como já mencionamos em outros blog posts, qualquer equívoco é uma oportunidade para que a fraude ocorra.

Ao gerar usuários orgânicos falsos com IDs de dispositivos recém-criados, o fraudador basicamente legitima esse dispositivo, pois os identificadores de dispositivo agora são familiares ao algoritmo antifraude e não se enquadram na definição de um “novo dispositivo” ou um “novo usuário”.

This means that once the fake user or device registers an organic install, they’re basically free to go ahead and create non-organic installs without being detected as fraudulent by most anti-fraud solutions.

With 38% of organic installs detected as fraudulent in December 2021, the business impact of such activity is very big.

Vale lembrar que, para o fraudador, quase não há um desperdício de dinheiro, pois gerar usuários falsos é extremamente barato (principalmente quando a operação é feita em escala). Esses usuários orgânicos podem não gerar uma receita de CPI imediata para o fraudador, mas eles se “sacrificam” em um esforço para serem reconhecidos como um dispositivo/usuário legítimo para futuras atividades fraudulentas.

Crescimento complementar

Uma crença comum no mundo da aquisição de usuários é a de que quando uma campanha é bem-sucedida e o número de instalações orgânicas aumenta, o número de instalações orgânicas também cresce.

Como mencionamos acima, os fraudadores estão familiarizados com esse cenário e, por isso, tentam criar uma experiência holística que imita uma campanha de sucesso. Isso inclui a infiltração de usuários falsos no meio do tráfego orgânico para complementar o crescimento não orgânico gerado por eles.

Esses usuários orgânicos oferecem o dobro do valor, pois eles não apenas contribuem para o sucesso “real” da operação do fraudador como também podem servir como prova da legitimidade da atividade fraudulenta, caso o anunciante suspeite desse tráfego.

Embora muitas soluções da indústria ignorem a possibilidade da existência da fraude orgânica, a AppsFlyer registrou um aumento contínuo de 37% em instalações orgânicas fraudulentas ao longo dos últimos seis meses.

Impacto sobre o produto

Os equívocos sobre o usuário orgânico não afeta somente os esforços de aquisição de usuários de um desenvolvedor como também podem ter um grande impacto sobre a funcionalidade de um aplicativo.

Os usuários orgânicos são amplamente reconhecidos como os melhores usuários de um aplicativo, pois eles ativamente escolhem fazer um download e utilizam o aplicativo de forma orgânica, sem que seja preciso convencê-los disso. Eles realmente querem utilizar um aplicativo com uma intenção clara.

Isso faz com que grande parte dos desenvolvedores de aplicativos baseiem a maioria das suas escolhas de otimização em dados comportamentais obtidos desse conjunto de usuários. Essas otimizações são feitas na forma como o aplicativo é promovido, na experiência que ele oferece ao usuário e em sua principal oferta e funcionalidade.

Fique atento(a)

A atividade fraudulenta costuma existir em qualquer área que gera lucro. Assumir que a fraude não existe é o primeiro indicativo de que ela provavelmente já ocorre, ou passará a ocorrer no futuro.

O Protect360, solução antifraudes da AppsFlyer, agora também mostra onde ocorre a atividade fraudulenta nas instalações orgânicas de nossos anunciantes. Esse é mais um passo inovador em nosso esforço contínuo na luta contra a fraude em nosso ecossistema.

Michel Hayet

Empreendedor e consultor de estratégias digitais, Michel é o veterano dos anúncios digitais e um expert em combate à fraude de anúncios mobile. Ao longo dos últimos dez anos, Michel estudou as complexidades do espaço de anúncios digitais, focando seus esforços em criar inovações de tecnologia, estudar métodos detalhados de fraude de anúncios e explorar novas técnicas para lutar contra essa ameaça.

Seguir Michel Hayet

Receba notícias de marketing e insights de especialistas direto em seu e-mail